quinta-feira, 29 de setembro de 2011

VINAGRE DE MAÇÃ OU CIDRA


O vinagre de sidra é um produto muito fácil de encontrar, qualquer supermercado, mercearia ou mesmo ervanária têm.

É um produto natural. Muitas pessoas utilizam no tempero de saladas e outros alimentados.

Quanto a parte ornitológica.

O vinagre de sidra faz o mesmo efeito que a colina. Este conte uma substância a qual se da o nome de “coilina”.

Já se sabe que os problemas hepáticos nas aves muitas vezes são provocados por excesso de gordura no fígado, a alteração da flora intestinal (parte que protege o estômago) normal, causa frequentemente infecções intestinais.

Quanto aos benefícios para as aves são vários.

Quando as aves estão demasiado gordas por norma costuma se comprar “colina” e fazer-se uma dieta de sementes.

Quase todas as sementes são ricas em gordura claro que não serão todas as sementes, mas muitas são. As sementes ditas sementes pretas (cânhamo, nabo, níger, entre outras) são muito ricas em gordura. As aves mais gulosas se não se tiver algum cuidado acabaram por dar problemas. A ave deixa de comer todas as sementes e começa por fazer uma alimentação pouco adequada comendo só um ou dois tipos de alimentos, por norma sementes pretas.

Os primeiros sintomas visíveis a olho nu. São fadiga ao fazer pequenos voos, arfar em dias de muito calor, a ave parece muito forte, o que ate nos parece bem, pois a ave parece maior, dificuldades na criação (as copulas são falhadas) … etc.

A utilização do vinagre de sidra durante alguns períodos do ano vai resolver muitos dos problemas a que me referi entre outros.

O vinagre de sidra contem uma substancia “coilina” que é de grande consistência quando ingerida pelas aves e fixa-se nas paredes musculares internas do estômago da ave protegendo o e fazendo que este fique mais forte. Assim pode facilitar na digestão e eliminação das gorduras.

Isso pode conseguir-se com a administração de vinagre de sidra.

Modo como se deve utilizar.

Diluir uma colher cheia de sopa (10ml) por cada litro de água.

Repetir esta operação duas vezes por semana, nos outros dias água normal.

Como curiosidade. Há criadores que juntam o vinagre de sidra na água do banho das suas aves. A sua acidez tem propriedades que as aves apreciam. As plantas e frutos são utilizados na natureza por muitos animais selvagens como anticéptico para evitar muitas moléstias pragas.

Sopradora de Sementes


quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Ácaros da Traquéia



Os ácaros existem no meio ambiente, nas poeiras, nos detritos, um pouco por todo o lado, aliás é destes que eles se alimentam.


Quando as aves por qualquer motivo se cruzam com estes bichinhos, as coisas complicam-se.

O Sternostoma tracheacolum ( Ácaro da Asma–Fole-de-Canário ), Cytodites Nudus ( Ácaro dos Sacos Aéreos das Aves ), são só dois dos muitos, outros responsáveis por muitas dores de cabeça e desgostos de criadores e amadores que criam aves de gaiola ou ornamentais.

Primeiro instalam-se na boca afectando as vias aéreas. Nesta altura a ave sente-se incomodada e esfrega o bico nos poleiros e grades com vista a libertar-se destes, deixa de cantar, mas a ave come regularmente e está desperta.

Com o tempo os ácaros migram para a traqueia, o que torna a situação mais grave. A ave começa a ter irritação na traqueia e narinas manifestando um mau estar permanente por dificuldades respiratórias, dorme embolada (forma de bola) e respira com alguma dificuldade e tosse, passa a comer menos que o normal e as sua fezes começam a ser mais líquidas e esbranquiçadas.

Numa situação já muito grave os ácaros atingem os pulmões da ave contaminando todo o aparelho respiratório. Situação em que se pode já ouvir um ruído tipo assobio constante, durante o período noturno este ruído aumenta. A ave respira com muita dificuldade e mantém o bico aberto e espirra, esfrega a zona da traqueia e parte inferior do bico nos poleiros podendo mesmo provocar pequenas peladas (falta de penas) na zona descrita. A ave alimenta-se com muita dificuldade o que provoca a debilidade da mesma, as suas defesas caem o que a torna mais débil e frágil, facilitando o aparecimento de outras doenças. Como consequência da sua debilidade fica sujeita a apanhar novas bactérias e outros fungos. Estes problemas contribuem para o agravamento do seu estado de saúde e acaba com uma morte em agonia.

COMO PREVENIR:

Devemos manter as aves longe de correntes de ar e vento, evitar o contato com outro tipo de aves (galinhas, pombos, aves silvestres, aves da rua), evitar as poeiras no interior do local onde mantemos as aves (em vez de varrer o chão será melhor limpa-lo com um pano úmido), evitar sobre povoamento dos viveiros, manter o local bem arejado, limpar e desinfetar os viveiros com alguma regularidade, desinfetar os ninhos e viveiros depois de cada criação (substituir o forro dos ninhos bem como toda a matéria de construção), antes do início das criações usar anti-ácaros em pó ou outro para prevenir o seu aparecimento, sempre que possível utilizar comedouros fechados de modo a que as aves não defequem em cima das sementes( assim evitamos o alastramento da doenças) , soprar/limpar as sementes dos comedouros de modo a não acumular pó ou restos muito pequeninos, sempre que adquirir uma ave nova faça-lhe uma quarentena antes de a juntar ao seu plantel, comprar sementes o mais limpas possível e por fim, estar atento aos primeiros sinais (isso poderá fazer a diferença entre a vida ou morte da(s) ave(s).

TRATAMENTO:

Atenção.Os ácaros provocam outras infecções em todo o sistema respiratório, que por conseqüência levam a debilidade de outros órgãos.

Devemos ler sempre as indicações e dosagem dos produtos antes de utilizar nos tratamentos, muitos destes produtos são tóxicos e quando mal utilizados podem esterilizar as aves ou mesmo matar.

Separar as aves infectadas.

Avaliar convenientemente o estado em que se encontra a ave ou aves (podendo recorrer a ajuda de um veterinário ou criador mais experiente) muito importante este passo.

Deve começar a dar logo de imediato um poli-vitamínio ( conjunto de várias vitaminas essenciais) uma boa escolha é a qualidade e diversidade nas vitaminas essenciais, para ajudar a ave a combater a falta de apetite e conseqüente fraqueza, estas poderão ser ministradas na água ou nas sementes e papa.


Começar o tratamento o mais rápido que puder (não deixar progredir os ácaros), retirar nesta altura o gritez. O gritez contém substancias que dificultam o tratamento (minerais e carvão vegetal), usar uma mistura de sementes mais ricas e energéticas. Recorrer ao uso de sementes cozidas ou germinadas(ricas em ferro).

Durante o período de tratamento não se deve dar banho nas aves doentes.

Há produtos que utilizam as penas como meio de propagação do mesmo (ácaros externos). Arranjar um produto que contenha na sua composição “ivermectina”.

Produto recomendado por vários criadores.

A “ivermectina” é de uso exclusivo para aves. Usado no combate a vários tipos de ácaros, vermes carídeos e nemetódeos gastritestinais é também muito eficaz no combate do piolho vermelho. No mercado dos pets shops, veterinário e farmácias podemos encontrar alguns remédios/medicamentos para debelar este tipo de ácaros e suas conseqüenciais.


terça-feira, 27 de setembro de 2011


TRATAMENTO DA COCCIDIOSE:

Baycox, coccidex e Coccinon

INTRODUÇÃO

O Coccidex ou Coccinon: são Coccidiostáticos, ou seja, eles impedem a Reprodução e Proliferação do Coccidea.
O Baycox: é um Coccidicida, ou seja, ele mata o Coccideo.
Então, seria mais eficas usar um Coccidiostático como o coccidex e Coccinon no uso Imediato como Forma de Salvar um Pássaro já Doente e controlar a Coccidiose, e depois usar um Coccidicida como o Baycox no Tratamento Curativo Finalizando o Tratamento.

TRATAMENTO.

1º COLOCAR O PÁSSARO PROXIMO A UMA LAMPADA ACESA DURANTE O DIA E A NOITE OU UM AQUECEDOR PROPRIO PARA PÁSSAROS DURANTE TODO O TRATAMENTO.
(COM COCCIDEX & BAYCOX)

Fornecer uma Cápsula de Coccidex em 50ML de água no Bebedouro por 10 dias. Trocar água todos os dias e cortar qualquer outro tipo de fonte liquida como banheira para banho e ETC durante o tratamento.

Após 3 dias de descanso fornecer 2 gotas de Baycox no Maximo em 50ml de água durante 2 (dois) dias consecutivos e se necessário deverá ser repetido após 5 dias de descanso.

Recomendamos que a cura seja comprovada através de exames de fezes e não só pela volta da aparência feliz e saudável do pássaro.
DESINTOXICAÇÃO

Após 5 dias desse tratamento fornecer Avitrin Ferro 5 gotas em 50ml de água por 10 dias consecutivos sempre trocando a água descansa 10 dias e fornecer Avitrin Polivitaminico 3 gotas durante 15 dias consecutivos, sempre trocando a água.
(COM COCCINON & BAYCOX)

1º COLOCAR O PÁSSARO PROXIMO A UMA LAMPADA ACESA DURANTE O DIA E A NOITE OU UM AQUECEDOR PROPRIO PARA PÁSSAROS DURANTE TODO O TRATAMENTO.

Fornecer duas Cápsula de Coccinon de 75mg em Bebedouro de 50 ml de água por 10 dias de Tratamento corta qualquer outro tipo de fonte liquida como banheira para banho e ETC durante o tratamento.
Após 3 dias de descanso fornecer 2 gotas de Baycox no Maximo em 50ml de água durante 2 (dois) dias consecutivos e se necessário deverá ser repetido após 5 dias de descanso.

Recomendamos que a cura seja comprovada através de exames de fezes e não só pela volta da aparência feliz e saudável do pássaro.

DESINTOXICAÇÃO

Após 5 dias desse tratamento fornecer Avitrin Ferro 5 gotas em 50ml de água por 10 dias consecutivos sempre trocando a água descansa 5 dias e fornecer Avitrin Polivitaminico 5 gotas durante 30 dias consecutivos, sempre trocando a água.

ACARÍASE RESPIRATÓRIA

Causas: Ataque do ácaro Stermostoma tracheaculum, nas vias respiratórias. As exposiçőes e trocas e compras de aves săo as principais causas pela instalaçăo da doença no canaril.

Sintomas: Respiraçăo penosa, ofegante, tosses, plumagem desalinhada, emagrecimento da ave, abertura do bico sincronizado com os movimentos respiratórios.

Tratamento: Isolar a ave, desinfetar todo o criadouro, aplicar aerosol com antibióticos. Aviobitina na água de beber. Desinfectar as gaiolas todos os dias com soluçăo Biocid na proporçăo de 2 ml por litro de água. Aplicar vacinaçăo adotando o processo de arrancar algumas penas da coxa do pássaro, esfregando, levemente uma gota de ivomec. Aplicar o Ivomec pruron (azul), neste caso năo precisa retirar a pena, somente pingue uma gota em uma área descoberta de pena, que assim, a pele absorverá o medicamento. A medicaçăo deve ser repetida 15 dias após a aplicaçăo da primeira dose de ivomec. (Aplicar em todo o plantel em duas doses com intervalo de 15 dias).


ÁCAROS DAS PENAS

Causas: Parasita Syrongophilus bicectinata.

Sintomas: As penas apresentam-se caídas e é possível percebe-los como pequenos traços escuros entre as bárbulas. Para verificar se a ave está sendo atacada por ácaros, pegue-a e observe sua asa aberta contra a luz.

Tratamento: Pegue a ave, abra a asa e pulverize uma única vez com inseticida ŕ base de piretina numa distância de uns 30 cms.


ÁCAROS VERMELHOS

Causas: Parasita Dermanysus gallinae. Este parasitas causam grandes problemas na reproduçăo săo os chamados piolhos vermelhinhos, só apresentam esta cor vermelha quando estăo cheios de sangue, caso contrário sua cor é pardo-acinzentada.

Sintomas: Estes ácaros ao dia se escondem nas ranhuras dos poleiros, molas das portas e buracos na parede ou teto, ataca as aves a noite, as aves năo param de se bicar tentando tirar os ácaros.

Tratamento: Pulverize poleiros, molas e paredes com um inseticida spray ŕ base de piretina, nas aves pode-se borrifar inseticida spray SBP, as paredes podem ser pintadas com a cal virgem.


ANEMIA

Causas: Sementes estragadas, mofadas ou velhas, ataque do piolho vermelho e falta de alimentaçăo.

Sintomas: Falta de apetite, emagrecimento, năo tem equilíbrio no poleiro, ave pálida e a plumagem opaca, sem brilho.

Tratamento:

AEROSACULITE

Sintomas: Respiraçăo difícil e ruidosa com silvos pronunciados. Falta de vivacidade, o pássaro fica infértil e năo canta.

Tratamento: Baytril ou Tylan 200 (1gota no bico), Linco Spectin, Oftcor (2gotas no bico), Reforçar a alimentaçăo adicionando vitaminas na farinhada.


ARTRITE

Causas: Mudanças de temperaturas e para locais úmidos e alimentaçăo inadequada.

Sintomas: Inchaço das articulaçőes, ficam no fundo da gaiola.

Tratamento:


ASMA

Causas: Poeira, friage, alimentos condimentados, gaiolas sujas, mudanças no clima e mal ventilaçăo do criadouro.

Sintomas: Respiraçăo difícil acesso asmático freqüente e ofegante. Em casos muito graves imobilidade, olhos entreabertos, penas soltas respiraçăo acelerada intermitente com emissăo de pequenos gemidos.

Tratamento: Eliminar frio, vento, poeira, úmida, colocar a ave em gaiola com temperatura de 30o, na hora da crise administrar gotas de adrenalina a 1./10.000, e antibióticos e tônicos. Baytril ou Tylan 200 (1gota no bico), Linco Spectin, Oftcor (2gotas no bico), Reforçar a alimentaçăo adicionando vitaminas na farinhada.


ASPERGILOSE RESPIRATÓRIA

Causas: Parasito ou fungo de alimentos semi deteriorados.

Sintomas: As aves parecem estar suadas, fezes esverdeadas, Movimento de cauda acompanhando a respiraçăo, abrir e fechar do bico com muita freqüęncia. A respiraçăo em alguns casos é bastante ruidosa.

Tratamento: Năo há tratamento satisfatório com medicamentos especifícos, contudo, algum, resultado pode ser conseguido com NF 180 (2 g para 1 kl farinhada seca) e complexo vitamínico para melhorar a resistęncia. De qualquer forma a cura pode ser tentada com Ancotil na dosagem de 120 a 250 mg por quilo de farinhada seca, oferecida durante 3 dias.


BRONQUITE OU TRANQUEITE

Causas: Correntes de ar, aves em local de ar năo renovado, bruscas mudanças de temperaturas.

Sintomas: A ave perde o apetite, narinas obstruidas, bico aberto, rouquidăo e catarro, a ave năo canta e fica agitada.

Tratamento: Colocar a ave separada numa temperatura de 30o e administrar antibióticos e vitaminas A e D e aviobitina na água de beber.


CANDIDIASE

Sintomas: Penas arrepiadas, falta de apetite, dificuldade para ingerir alimentos, vômitos e as vezes diarréia.

Tratamento: Assim que aparecer os primeiros sintomas, bons resultados săo conseguidos com Micostatin (1 gota no bico) e 8 gotas no bebedouro. Nizoral (1 comprimido transformado em pó adicionado a 1 kilo de farinhada seca) também produz bom efeito.


CARENCIA VITAMINICA

Sintomas: Falta vigor, queda de penas fora de época e falta de apetite. Os machos năo cantam e de modo geral o pássaro fica adormecido durante o dia no fundo da gaiola.

Tratamento: Oferecer 5 gotas de Potenay B12 ou Vita_Gold em bebedouro de 60 ml de água, diariamente. Alternar com Ferro SM no bebedouro por período de 15 a 20 dias. Alimentaçăo enriquecida com maçă, jiló, e verduras em dias alternados durante 30 dias. Banho nos dias quentes e sol durante 15 minutos no horário da manhă. A farinhada com ovo cozido năo deve faltar.


COCCIDIOSE

Causas: Alimentos e água contaminados pelas fezes ou saliva de outras aves doentes.

Sintomas: Cansaço, sede contínua, o osso do peito fica saliente, há emagrecimento, fezes aquosas, desidrataçăo e diarréia com fezes com estrias de sangue ou de coloraçăo bem escura. Esta doença năo tem cura.

A coccidiose atinge principalmente o intestino delgado e os cecos em especial dos filhotes, provocando hemorragias.

Tratamento: Sulfaquinolaxia, Vetococo, Coccirex, Amprolium e a Sulfametaxina, administrar junto para evitar a resistęncia dos protozoários complexos vitamicos como vitamina K e Hidrac ou Pedyalit. Administrar os remédios conforme indicaçăo da bula.


COLIBACILOSE

Causas: parecida com a coccidiose, mas só com exames veterinários pode ser constatada. É transmissível a animais domésticos e ao homem, porém é uma doença rara de ocorrer.

Sintomas: Sonolęncia, Falta de apetite, a ave se retira para um canto da gaiola, diarréia esverdeada deixando a regiăo da cloaca suja, Vômitos freqüentes de alimentos misturados a uma substância e a um fluído esverdeado. Neses casos a mortalidade é muito elevada entre o primeiro e o segundo dia.

Tratamento: Sulfas e antibióticos e desinfecçăo com bactericida, Zooserine, Quemicetina solúvel, Cloranvex e Gentamicina (colírio 1 gota no bico). A medicaçăo deve ser oferecida conforme a bula.


CONSTIPAÇĂO OU PRISĂO DE VENTRE

Causas: Falta na variedade dos alimentos fornecidos as aves.

Sintomas: Esforço apresentado pela ave, ao evacuar, acompanhado de movimentos e sacudidelas. Ventre inchado, fezes duras, cloaca inchada e vermelha.

Tratamento: Pingar na cloaca azeite de oliva duas vezes ao dia, dar-lhes verduras, frutas e vitaminas.


CORIZA

Causas: Bruscas mudanças climáticas, aves em locais úmidos, aves mal alimentadas, falta de vitamina C.

Sintomas: Corrimento nasal, tosse, respiraçăo difícil, mucosa congestionada, falta de vivacidade, aneroxia, corrimento de cerume das narinas, que pode se tornar um ranho purulento, continuamente freqüente e mucosa congestionada.

Tratamento: Limpar as narinas com cotonete impregnado em soluçăo de permanganato de potássio, com 1./1.000. Administrar antibióticos com penicilina mais estreptomicina, clorofenicol na água de beber, vitaminas, Aviobitina e Neo Sulmetina SM. 100 PS (vide bula), Linco Spectrin (1g em 1,5 L água), Tylan 200 (1 gota no bico). O tratamento deve ser mantido até o desaparecimento da doença.


DIARRÉIA

Causas: Má alimentaçăo, alimentos azedos, deteriorados e água suja.

Sintomas: Fezes líquidas de cor amarela-esverdeada, falta de apetite e emagrecimento, ânus inflamado.

Tratamento: Corte as penas do traseiro com cuidado e lave com água morna, após enxugue. Administrar Neo Sulmetina SM, coalhada fresca, se optar pela coalhada năo de água, somente a coalhada até a recuperaçăo da ave.


DIFTERIA

Causas: Causada pelo bacílo Klebbs-löffler, doença infecciosa, doença epidęmica e se alastra rapidamente, năo tem cura.

Sintomas: Olhos avermelhados, parecidos ŕ conjuntivite, a ave năo consegue engolir os alimentos, respiraçăo com dificuldade.

Tratamento:


DOENÇA RESPIRATÓRIA (CRÔNICA) - D.R.C.

Sintomas: dificuldade de respiraçăo, espirros, corrimento nasal e ocular. Esta doença é bastante semelhante a coriza.

Tratamento: Tylan 200 (1 gota no bico), Linco Spectrin (1g 1,5 L água), Ofticor (2 gotas no bico). Tratamento de 1 semana.

ENTERITE

Causas: Inflamaçăo dos intestinos, uma das principais causas de morte dos filhotes no ninho.

Sintomas: Diarréia, plumas da cloaca suja pelas fezes, abdômen duro e vermelho e a ave emagrece, para de cantar, tem muita sede.

Tratamento: Vermífugos, Coccidiostáticos, Antibióticos, Antimicóticos, Nitrofurazona, sulfas, vitaminas A e D e eliminar as verduras. É útil administrar 2 gotas de Aderogil no bebedouro de 50cc.


EPILEPSIA

Causas: Alimentaçăo em excesso, sustos, luzes fortes durante a noite, excesso de acasalamento e incubaçăo.

Sintomas: Convulsőes.

Tratamento:


FRATURAS

Quando ocorre de a ave quebrar um osso, a primeira providęncia é retirar os poleiros e colocar água e comida a disposiçăo da ave.

Será necessário encanar o osso com gesso dissolvido em água ou álcool, que levará mais ou menos um męs para colar.

Se for a perna que quebrou, pegue um canudinho de refresco cortado ao meio, coloque as duas partes na perna e passe o gesso, deixando uns 45 dias, após retire o gesso.

Se for a asa que quebrou, será necessário cortar todas as penas da asa, dependendo da fratura, tente encaná-la com gesso.

Caso năo consiga, o melhor e mais correto é levar a ave a um veterinário, que esta mais acostumado a fazer estes serviços.


HEPATITE

Causas: Inflamaçăo do fígado oriundo de excesso de alimentos gordurosos.

Sintomas: Dilataçăo do baço, sonolęncia, perda de apetite ou fome exagerada, tendęncia para brigas e fezes líquidas, manchas violetas no ventre, com hipertrofia do lóbulo hepático.

Tratamento: Alimentaçăo refrescante, com cenouras, verduras e frutas. Pro livre (5 gotas no bebedouro), Antitóxico SM(vide bula), epocler (10 gotas no bebedouro por 5 dias), recomenda-se dar somente alpiste e chicória.


INDIGESTĂO

Causas: Ocorre em canários glutőes.

Sintomas: Sonolęncia, falta de vivacidade, a ave năo canta e năo se alimenta, ventre inchado, fezes dura, cloaca inchada e de cor vermelha.

Tratamento: Zooserine, Quemicetina soluvél, cloranvex e Gentamicina (colírio 1 gota no bico).


INFERTILIDADE

Sintomas: Ovos claros, o pássaro năo entra em forma para reproduçăo. A fęmea recusa sempre o macho ou vice versa.

Tratamento: Vitaminas e alimentaçăo sadia devem ser oferecidas aos pássaros para que na época de reproduçăo estejam em forma. É recomendável adicionar em 1 quilo de farinhada seca 2 gramas de vitamina “E” em pó.


INFLAMAÇŐES

Dos Membros:

Causas:Picadas de insetos ou inflamaçăo intestinal ocasionada por deficięncia alimentar.

Sintomas: Pés, asas, dorso e cabeça apresentam sinais de infecçăo, em forma de excrescęncia que se extraído săo mortais.

Tratamento: Pomadas ante inflamatórias.

Da Língua:

Causas: Incapacidade de quebra dos grăos, falta de osso de peixe na gaiola e por distúrbios glândulares.

Sintomas: Substância calosa na língua năo deixando a ave se alimentar.

Tratamento: Extraçăo.

Do Uropígio:

Causas: Excesso de gordura, ou ferimento ocasionado pela ave quando espreme a gordura do uropígio ao espojar-se.

Sintomas: Pequeno tumor na glândula do uropígio, a ave perde a fome e a voz, ficando fraca.

Tratamento: O pus deve ser retirado e o local tratado com água oxigenada e tintura de iodo ou mercuriocromo.

Intestinal:

Causas: Ingestăo de alimentos indigestos ou alimentos fortes que alojam no estômago e intestinos, provocando intoxicaçăo.

Sintomas: Fezes abundantes, abdômen dilatado, ânus inflamado, a ave năo se alimenta.

Tratamento: Antibióticos para cortar as dores de barriga e correçăo da alimentaçăo.


Olhos:

Causas: Corrente de ar frio, poeira, ciscos, machucados provocados por acidentes.

Sintomas: Olho vermelho, inflamaçăo, a ave esfrega constantemente os olhos do poleiro.

Tratamento: Limpeza dos olhos com água boricada.


MUDA ANORMAL

Sintomas: Muda de penas fora de tempo, irregularidade na formaçăo das penas ou quedas contínuas.

Tratamento: Identificar e sanaro problema que pode ser: Mudanças bruscas de temperaturas, excesso de calor ou frio; local muito úmido ou muito seco; correntes de ar; mudança de alimentaçăo; stress, baixa luminosidade durante o dia; excesso de luminosidade artificial. Identificada a causa administrar boa farinhada enriquecida com vitaminas e minerais diariamente.

OBESIDADE

Causas: Alimentos gordurosos e falta de exercícios.

Sintomas: Ave demasiadamente gorda, forma deselegante perante seu padrăo.

Tratamento: Dieta alimentar.


ORNITOSE

Causas: Moléstia de origem parasitária que é contagiosa.

Sintomas: Tremores, sono, năo se alimenta, líquido viscoso pela narina e pálpebras. Mortes inesperadas sem que apresente qualquer sintoma de doenças. Contagioso a animais domésticos e ao homem.

Tratamento: Somente constatada por exames veterinários.


PARASITOSE

Externa:

Causas: Falta de higiene nas instalaçőes.

Sintomas: Queda da plumagem, emagrecimento, aparęncia anemica, patas brancas, olhos comprimidos.

Tratamento: Fazer a profilaxia das instalaçőes, desinfetar as gaiolas e acessórios com SBP, os ninhos com puxine em pó ou similar. Desinfectar o criadouro com 3 meses antes com kill red (20g para 6 litros d'água), gaiolas, equipamentos e pássaros. É indispensável que o produto seja aplicado pelas paredes e estantes. O SBP também pode ser usado, contudo, como se volatiza rapidamente, o riso de reinfestaçăo é maior.

Interna:

Causas: Parasitas no estômago e nos intestinos transmitidos por fezes contaminadas.

Sintomas: Emagrecimento, e mortalidade elevada.


VARÍOLA AVIÁRIA.

Esta doença esteve extinta por um longo tempo, agora vem aparecendo de uns tempos pra cá, atacando pequenas aves domésticas.

Causas: Bactéria que se desenvolve na ave num período de 1 a 3 semanas, transmitida por parasitas,

insetos, moscas e pelas aves.

Sintomas: Queda de pequenas plumagens ao redor dos olhos, as vezes as pálpebras engrossam,

furúnculos, partes mais atingidas ápica, bico, faringe e orelha.

Tratamento: Separar a ave, passar desinfetante e bactericida, evitar moscas e insetos fiquem transitando

nas aves sadias. As aves atacadas e curadas ficam imunes a doença.

Tratamento:

5 gotas de Benzitrat no bebedouro, até a cura da doença. Aplicar nas partes afetadas o Thuyá Avícola sem deixar cair nos olhos.


PIPOCAS DAS PATAS

Causas: Existęncia de agentes infecciosos no organismo da ave ou alimentaçăo imprópria.

Sintomas: Aparecimento de pipocas (bolinas brancas) no bico, raramente nas asas e principalmente nas patas, inchaço e formaçăo de furúnculos e de cortes nas patas.

Tratamento: 5 gotas de Benzitrat no bebedouro, até a cura da doença. Aplicar nas patas afetadas o Thuyá Avícola.


PNEUMONIA

Causas: Queda repentina de temperaturas, ambientes quentes com correntes de ar, banhos excessivos em dias frios.

Sintomas: Embolam colocando a cabeça sob as asas, a cauda acompanha o ritmo respiratório, febre e asas caídas. Falta de vivacidade, penas soltas.

Tratamento: Colocar a ave em gaiola separada com temperatura de 30 a 32o, administrar aviobitina. Baytril ou Tylan 200 (1gota no bico), Linco Spectin, Oftcor (2gotas no bico), Reforçar a alimentaçăo adicionando vitaminas na farinhada.

RAQUITISMO

Causas: Muito parecido com o do ser humano raramente ocorre nas aves que săo expostas ao sol, somente aparece quando a ave năo toma banho de sol.

Sintomas: Pernas e asas fracas, aves pequenas, as vezes deformadas.

Tratamento: Colocar as aves para tomar banho de sol diários, fornecer na farinhada o óleo de fígado de bacalhau.


SALMONELOSE

Causas: Vários agentes patogęnicos do tipo Salmonelas, típicos colibacilos bastante resistentes ŕs desinfecçőes e ao próprio tempo.


Paratifose

Sintomas: Fulminante, a ave fica num canto da gaiola, asas caídas, penas soltas e respiraçăo ofegante, morte repentina.

Tratamento: Isolar a ave doente, desinfetar o canário e local com água com soda, administrar sulfas e antibióticos, clorofenicol e vitaminas.


Aguda

Sintomas: Ave năo canta, năo tem vivacidade, se retirando para um canto da gaiola, sede, diarréia amarela-esverdeada, cloaca suja, respiraçăo ofegante.

Tratamento: Os mesmos citado para paratifose e desinfecçăo e bactericida.

As aves curadas săo portadoras dos germes.

Crônica

Sintomas: Diarréias alternada com constipaçăo intestinal, emagrece rápido, articulaçőes inchadas.

Tratamento: O mesmo referido as outras duas formas. Evitar cruzar as aves curadas por normalmente transmitirem esterilidade a sua prole ou enterite.


Tratamento Geral:

Sulfas (vetococ, neosulmetina, coccirex), Durante a criaçăo deve ser evitado o uso de produtos com sulfa, porque esterilizam os machos por 22 dias.


SINUSITE INFECCIOSA

Sintomas: Corrimento freqüente das narinas e dos olhos que ficam injetados com inchaçŕo ao seu redor, podendo apresentar pus. O pássaro năo come e permanece com a cabeça embaixo das penas recolhido num canto do poleiro ou no fundo da gaiola. Esfrega, seguidamente, o bico contra o poleiro ou arame, respiraçăo difícil.

Tratamento: Lavar as narinas e olhos com água morna. Pingar 1 gota de Hidrossin em cada narina. Na água pode ser usado Auromicina Avícola, Vetococ, Tylan 200 ou Linco spectin. A medicaçăo deve ser oferecida conforme a bula.


STREPTOCOCOS

Sintomas: Sono Contínuo. O pássaro se isola em um canto da gaiola. Cloaca suja pela diarréia. Emagrecimento rápido, Respiraçăo ofegante. A causa e as asas caídas. aumenta o ritmo respiratório, bico aberto. O pássaro pode, de tempos em tempos, emitir ruídos agudos.

Tratamento: Durante 5 dias deve ser oferecido ao pássaro doente. 100 PS (vide bula), Linco spetrin (1 g para 1,5 L de água), Tylan 200 ( 1 gota no bico).


STRESS

Causas: Sustos, barulhos repentinos no criadouro, etc.

Sintomas: A ave fica sonolenta, abatida, assustada devido ŕ inabitaçăo, alimentaçăo imprópria ou excesso de antibióticos, tumultos dentro do canaril provoca agitaçăo nos pássaros. Muito especialmente ao retornar de exposiçőes ou viagens longas. Tumultos dentro do canaril provoca agitaçăo nos pássaros causando-lhes stress.

Tratamento: Administrar vitaminas, eliminar os barulhos, as causas de fadiga, alimentaçăo insuficiente, mudanças de temperaturas e excesso de parasitas. Administrar vitaminícos: potenay B12, vita gold ( 5 gotas no benedeouro) e farinhada reforçada com rosivilt, maçă, verdura e jiló.


SUOR DAS FĘMEAS

Aparece quando os filhotes ainda năo saíram do ninho. A fęmea, bem como os filhotes, apresenta o peito todo molhado, ŕs vezes o próprio ninho fica úmido.

O suor das fęmeas ocorre devido ŕs diarréias que atacam os filhotes. Estes podem ser provocadas por doenças como a Salmomelose ou mesmo por problemas alimentares. É bom relembrar, a esse respeito que os pássaros năo tęm glândulas sudoríparas.

TEIGNE

Sintomas: Manchas redondas ao redor das pálpebras, perto do bico ou ainda nos ouvidos com formaçăo de escamas secas.

Tratamento: Desinfectar bem a gaiola, com Biocid, aplicar com cautela pomada antimitótica, canesten.


TOXOPLASMOSE

Doença bastante grave ocorre especialmente nos filhotes e pode ser fatal.

Sintomas: As aves mostram-se tristonhas, fracas e apresentam diarréias, as vezes com sangue, no peito o externo fica bastante saliente e o fígado também costuma ficar inchado.

Tratamento: Os mesmos aplicados a coccidiose.

TIFO

Causas: Transmitida pelas fezes das aves doentes, pela água e picadas de mosquitos.

Sintomas: Asas caídas, penas soltas e diarréia verde. Mortalidade muito elevada e rápida, entre 12 e 24 horas.

Tratamento: Isolar as aves. Administrar antibióticos e desinfetar com bactericidas. Há ainda alguns criadores que sugerem a eliminaçăo das aves doentes. Zooserine, quemicetina solúvel, cloranvex, gentamicina (colírio 1 gota no bico), Sulfas.


VARÍOLA

Causas: Bactéria que se desenvolve na ave num período de 1 a 3 semanas, transmitida por parasitas, insetos, moscas e pelas aves.

Sintomas: Queda de pequenas plumagens ao redor dos olhos, as vezes as pálpebras engrossam, furúnculos, partes mais atingidas ápica, bico, faringe e orelha.

Tratamento: Separar a ave, passar desinfetante e bactericida, evitar moscas e insetos fiquem transitando nas aves sadias. As aves atacadas e curadas ficam imunes a doença. Neste caso a antiobicoterapia é geralmente ineficaz; a única açăo válida é preventiva por vacinaçăo. Existe a francesa "kanapox" rhone merieux e a americana "poximune C" "biomune inc". para forma aguda, para a forma crônica recomenda-se uma soluçăo alcoólica a 3% ou thuya. A quemicetina (4 gotas no bebedouro) pode, em alguns casos mostrar eficiência.
 
ACARÍASE RESPIRATÓRIA


Causas: Ataque do ácaro Stermostoma tracheaculum, nas vias respiratórias. As exposiçőes e trocas e compras de aves săo as principais causas pela instalaçăo da doença no canaril.

Sintomas: Respiraçăo penosa, ofegante, tosses, plumagem desalinhada, emagrecimento da ave, abertura do bico sincronizado com os movimentos respiratórios.

Tratamento: Isolar a ave, desinfetar todo o criadouro, aplicar aerosol com antibióticos. Aviobitina na água de beber. Desinfetar as gaiolas todos os dias com soluçăo Biocid na proporçăo de 2 ml por litro de água. Aplicar vacinaçăo adotando o processo de arrancar algumas penas da coxa do pássaro, esfregando, levemente uma gota de Ivomec. Aplicar o Ivomec pour-on (azul), neste caso năo precisa retirar a pena, somente pingue uma gota em uma área descoberta de pena, que assim, a pele absorverá o medicamento. A medicaçăo deve ser repetida 15 dias após a aplicaçăo da primeira dose de ivomec. (Aplicar em todo o plantel em duas doses com intervalo de 15 dias).
 
 
Como resolver o Problema das Formigas.


O principio ativo ou repelente é o Cravo da Índia, especiaria muito usado em doces em cauda e compotas de nossas frutas, o processo de uso experimentado por mim com sucesso foram três que relato a seguir:

1. Espalhe alguns Cravos da Índia em volta do vasilhame contendo a Farinhada, as formigas somem imediatamente, entretanto alguns curiós ressentem-se com o odor e não comem a farinhada. Outros não se importam e bicam o Cravo comendo-os. Este fato levou-me a tritura-los no liquidificador e espalhar o pó na gaiola, resolveu em parte porque algumas matrizes não aceitaram o cheiro do cravo.

2. Cozinhe em Banho Maria com fogo Baixo por no mínimo quatro horas 150 gramas de Cravo da Índia em ½ litro de Óleo Nujol até que o óleo fique da cor de Vinho Tinto puxado a cor de café, em seguida coe em peneira fina para separar os cravos do Nujol que agora foi transformado em Óleo de Cravo da Índia.

Umedeça uma flanela com este Óleo e aplique nas paredes em volta das gaiolas formando “Ilhas” ou seja, as gaiolas das paredes são circundadas pelo óleo que não precisa escorrer, nem ser colocado muito próximo das gaiolas. Formamos uma espécie de circulo de proteção ao passar a flanela úmida nas paredes. A eficiência deste método é total.

3. Compre em uma Drogaria a essência do Cravo da Índia e pingue algumas gotas em um recipiente contendo Vaselina Sólida e misture para impregna-la com o aroma do Cravo. Em seguida unte com a vaselina os pés das gaiolas que ficam nas prateleiras ou ganchos das que ficam penduradas.
 

Você Sabia?

...que na época do acasalamento é conveniente aparar as penas da cloaca dos canários para favorecer a cópula, principalmente naqueles de penas longas...

...que para melhorar a intensidade do fator vermelho deve-se adicionar a farinhada um pouco de cenoura ralada na proporçăo de 50 gramas para 200 gramas de farinhada...

...que os canários com fator vemelho năo devem ser expostos ao sol para năo perder a uniformidade da pigmentaçăo...

...que para evitar o canibalismo quando filhotes principalmente nos canários brancos e amarelos, o fornecimento de farinhada oleosa é recomendável, assim como adicionar a areia um pouco de sal grosso peneirado na proporçăo de 100 gramas para cada quilo de areia...

...que quando pássaro tiver comendo a propia pena , deixe um pedaco de barbante (20cm), de molho na salmora, espere secar e em seguida amarre ao alcance dos canários...

...que os canários brancos ficam com plumagem mais alva quando se banham em água com Bicarbonato de Sódio duas vezes por semana. Para um litro de água, colocar 2 gramas do produto e servir para o banho. Os canários devem secar a sombra e no dia seguinte serem colocados ao sol...

...que o piolho (traçador) que comumente ataca as penas das asas e da cauda do canário, formando um rendado nas mesmas, é facilmente removido usando-se um algodăo embebido em álcool, friccionando-o nas partes afetadas até a completa remoçăo. Quando o pássaro está demasiadamente infestado, é conveniente repetir a operaçăo 3 dias após. Um banho de sol por 10 minutos depois da desinfestaçăo é aconselhável...

...que a luz artificial durante a noite sobre as gaiolas, mesmo de baixa intensidade mas freqüente, torna o sono das aves interrompido com sérios riscos de enfraquecimento físico e suas conseqüęncias. A muda de penas contínua é uma das causas mais comuns, provocadas pela interrupçăo do repouso noturno...

...que os filhotes de canários até o 80 dia de vida estăo sujeitos, freqüentemente, a desidrataçăo ocorrendo a morte prematura. É aconselhável manter na criadeira água fresca trocada, preferencialmente, 2 vezes ao dia. Manter ainda, nesse período a disposiçăo dos pais, alimentos hidratantes como: chicória, maçă, jiló, acelga...

...que o filhote de canário saudável pesa no 10 dia de vida 1,72 gr, no 40 dia 6,2 gr, no 80 dia 13,40 gr e aos 12 dias 18,65 gr....

...que depois da muda de adultos e filhotes, entre março e abril, vermifugar os pássaros é providência necessária para livrá-los de indesejáveis vermes...

...que o Norwich de origem inglesa é a raça que mais se apresenta com quisto (lump) sem que até hoje se tenha uma causa definida para essa anomalia. Experientes criadores aconselham para diminuir a incidência de quistos 3 providęncias: năo acasalar nevado com nevado; fornecer na época de muda mistura de sementes oleaginosas e farinhada com boa carga de óleo e banhos 2 vezes por semana...

...que o processo seguro para testar se o ovo está fecundado e com embriăo vivo é colocá-lo no 110 dia de choco numa vasilha com água morna a 36 graus, e verificar se ele meche como um pêndulo. Caso positivo, retorne-o ao ninho que o filhote nascerá em 2 ou 3 dias...

...que para soltar ovo preso é suficiente passar de leve na cloaca da canária um pouco de "VIC VAPORUB"...

...que para evitar que o macho ou fêmea comam ovo, basta injetar com uma seringa um pouco de amônia no interior de um ovo e deixá-lo no ninho. O forte cheiro da amônia que irá exalar quando bicado, afastará os "bicudos" desse vício...

...que quando filhotes atingem 16 dias e já ficam fora do ninho devem ser separados do casal por uma grade na gaiola para năo serem depenados pela măe que, desejando fazer novo ninho, procura nas penas dos filhotes o material necessário...

...que é boa a prática separar o macho da fêmea quando esta começa o choco a fim de que ela se habitue a procurar alimentos para si e, quando nascerem os filhotes, năo tenha "preguiça" de sair para alimentá-los...

...que macho muito pronto que procura galar a fêmea durante o choco provocando quebra de ovos, deve ser separado pela grade da gaiola e retornado após 3 dias de nascidos os filhotes...

...que para evitar que a canária jogue fora do ninho filhotes após anilhados, é conveniente colocar-se pendurado acima do ninho um fio de nylon com anéis emprestáveis para que ela se habitue a vê-los e năo procure arrancar os colocados nos filhotes...

...que em regiőes de escassa umidade do ar, geralmente muitos ovos năo eclodem, sendo recomendável 2 dias antes da data prevista para o nascimento, colocá-los por 5 minutos em água morna a 30 graus e molhar o ninho...

...que para evitar o canibalismo adicione óleo de girassol na farinhada dos filhotes após separá-los em voadeiras até o término da muda, na proporçăo de uma colher de sopra para um quilo de farinhada seca ou, se preferir, fornecer farinhada pronta existente no mercado especialmente preparada para esse fim...

... que a vitamina E (anti-esterilidade) é essencial a reproduçăo, que estimula a fertilidade no organismo do canário, seja macho ou fęmea ...

... que a mistura de sementes deve ser a alimentaçăo básica do canário ...

... que é de suma importância que use apenas sementes frescas, porque as velhas, na realidade envenenarăo seu passarinho com as toxinas geradas pelo ranço e o mofo ...

... que o alpiste é pobre em proteínas, mas rico em carboidratos; e que estes carboidratos fornecem calorias para o corpo e săo a principal fonte de energia do canário ...

... que a colza é rica em proteínas e gorduras correlatos e contém carboidratos que săo ricos em vitamina A e mais facilmente digeríveis que os do alpiste ...

... que a gema de ovo é rica em vitamina A, bem como o óleo de fígado de bacalhau e o leite ...

... que o canário homozigoto é fácil de ser identificado se você observar a expressăo máxima de lipocromo que ele exibe no final das penas da cauda...

... que algumas pipocas que aparecem nos pés dos canários, as vezes, săo causadas por picadas de mosquitos. É aconselhável colocar telas nas janelas e portas do seu criadouro...

... que os antigos criadores colocavam nas gaiolas de seus canários, pedaços de toucinho, na época da muda? Por alguma razăo os canários sentem necessidade um pouco maior de gordura nessa época. Hoje já existem no mercado farinhadas próprias para este período...

... que os canários de fator vermelho năo devem ser expostos ao sol até a data de concorrerem e se possível devem ser criados na parte menos iluminada do seu canaril e ainda que as penas das asas e cauda devem ser arrancadas para obterem uma melhor coloraçăo?...

... que segundo alguns veterinários, năo se deve colocar nas patas das aves, pomadas a base de vaselina, pois sendo originária do petróleo, a vaselina destrói a pele dos pássaros...

... que os canários brancos, sejam de qualquer raça, năo terăo chance de vencer, em qualquer concurso, se năo estiverem absolutamente limpos...

... que nos canários mosaicos năo é permitido o arrancar de penas que cobrem os encontros dos ombros, sob pena de desclassificaçăo...

... que se cruzarem dois canários muito oxidados (pés bem negros), os filhotes correm o risco de năo nascerem, o que ocasiona a morte dos filhotes, fator este conhecido como pele negra...

... que as unhas dos pássaros quando aparadas o deverăo ser com o máximo de cuidado para que năo se corte a veia e provoque uma hemorragia? Caso isso aconteça e você năo tenha a măo um coagulante, faça o seguinte: acenda um fósforo e o apague imediatamente. Encoste-o ainda quente no ferimento. Repita várias vezes até estancar o sangue...

... o uso de luz artificial na criaçăo já começa a ser questionado por alguns criadores. Eles acreditam que tal prática leva os canários a um estado de stress, tendendo para a criaçăo mais cedo, entrando em muda. O assunto é polêmico. Os meus dormem e amanhecem com luz natural. Aliás, tudo que contraria a natureza năo é bom...

... na sua rua, no seu bairro ou na sua cidade existem amendoeiras? Se existem observe-as. Quando as folhas avermelhadas caírem e começarem a surgir os brotos da nova folhagem, chegou a hora de acasalar seus canários...

... os canários que săo granívoros por excelência, transformam-se em ovívaros durante a reproduçăo e alimentam a prole com alimento regurgitado. Por isso, é essencial fornecer, principalmente nesse período, uma boa farinhada...

... os pássaros de cativeiro freqüentemente apresentam alguma carência alimentar. Por isso, é aconselhável dar-lhes compostos de vitaminas e minerais a fim de evitar graves descompensaçőes...

... lembrem-se que para concorrer com bons resultados, seus canários deverăo ter uma preparaçăo que vai do aparo das unhas até o banho, se possível, com sabăo de côco ou shampoo Jonhson infantil...

... você deseja saber se o seu pássaro é macho ou fęmea? Proceda da seguinte forma: Arranje uma agulha de aço, um pouco maiore mais grossa que a comum. Segure a ponta da linha e como um pêndulo deixe a agulha ficar a 2 cms das costas do pássaro que você deverá ter seguro na outra măo. Espere alguns segundos que a agulha começará a se movimentar. Caso ela se movimente no sentido perpendicular ao corpo do pássaro é macho se girar completando voltas é fêmea. Experimente. Dizem qua năo falha...

...você deseja formar um bom quarteto? Faça o seguinte: separa três fêmeas do seu plantel, que possuam formas semelhantes e as acasale com um macho de boa qualidade. você irá conseguir ter filhotes muito semelhantes, o que lhe facilitará a tarefa...

... no período de repouso, que vai da pós muda até o acasalamento, năo exagere no uso da farinhada a fim de evitar que os pássaros engordem muito...

... se alguma fêmea do seu plantel, após a postura do ovo, pela manhă, fica no fundo da gaiola, mal podendo se movimentar, é porque, com certeza, você esqueceu de colocar na gaiola o pote com areia e farinha de ostra. O cálcio durante a criaçăo é fundamental. Evita o problema do ovo virado, que tanto ocorre durante esse período...

... se seus pássaros estăo frios, custando a aprontar ministre cinco gotas de uísque no bebedouro, durante três dias. É uma antiga prática dos criadores ingleses...

... misture querosene e álcool em partes iguais e pincele de quinze em quinze dias, as bandejas das gaiolas, as pontas dos poleiros e as molas das portas. Isto lhe ajudará na prevençăo contra os piolhos, mas năo adquira querosene em vidros plásticos. O melhor é o da Petrobrás vendido em lata...

... para evitar que a fêmea arranque as penas do rabo e das asas do macho, na hora de fazer o ninho, amarre um barbante năo muito fino no teto da gaiola com as pontas caídas na altura do poleiro. Ela deixará o canário em paz e poupará mais saco de aninhagem...

... para saber como anda a “infestaçăo” de piolhos no seu canaril é só proceder da seguinte maneira: escolha 8 a 12 gaiolas em locais diferentes do criadouro e coloque a noite, uma banheira branca com água em baixo do canário dormindo. Pela manhă retirar o recipiente e examinar a água com uma lupa. Qualquer quantidade de piolhos encontrada será significativa e servirá como um alerta, para que medidas higiênicas sejam tomadas, e depressa...

... mensalmente administramos nos pés dos canários uma mistura em partes iguais de Glicerina Líquida, Benzoato de Benzila (Acarsan, Miticoçam, etc) e Tomicol (antimicótico humano), para prevenir ou tratar doenças dos pés e unhas dos canários. Um dia após este tratamento limpamos os pés dos canários com vinagre. Em caso de aparecerem escamas ou cracas, antes do tratamento acima utilizamos Pomada de Helmerich, a base de solicilatos (funciona como esfoliativo).


Contribuiçăo de Júlio César Garcia, parcialmente retirada da Revista Pássaros n. 1 a 8 e Revista SOS 1995.

Fotos da nova Mutação. Lipocromo Amarelo Mosaico Vermelho.
Fotos de amigos.

Estas são as cores das Anilhas para os próximos anos.


Certamente aqui no Brasil devemos seguir o mesmo esquema de Cores das anilhas determinada pela COM.

Válido como curiosidade, até pelo fato das cores seguirem um ciclo.

Cuidados na hora de comprar um canário

Idade do canário:

Compre sempre canários jovens, a partir dos 5 anos de vida o canário ja começa a entrar na sua "aposentadoria", dependendo da ave pode reproduzir e cantar normalmente ou não.

Se o canário não tiver anilha fica impossível saber sua idade.

Vivacidade: compre sempre aquele canário que mais se mostra feliz, quando você se aproxima dele, ele pia, pula, se mostra saudável.

Nunca compre um canário que dorme de dia, fica apático na gaiola.


Penas: Evite comprar canários que não tem uma plumagem uniforme, por exemplo as penas do rabo todas abertas parecendo um leque. Penas da região da cloaca sujas indicam problemas de saúde, diarréia que pode ser o sintoma de diversas doenças.


Pés: NUNCA, compre um canário que esteja levantando o pé. Pode ser um leve machucado ou o sintoma de uma doença que em quase 100 % dos casos leva o canário a morte.

Também evite canários com os pés cheios de crostas, casções.

Os pés devem ser saudáveis, sem calosidades.

Sexo: Cuidado para não ser enganado na hora da compra. O básico para distinguir o sexo é observar se o macho esta em uma gaiola separada sozinho e cantando forte. So o macho canta, algumas fêmeas cantam, porém é um canto bem inferior e desafinado.


Identificação nas anilhas FOB

Essas são as informações que constam nas anilhas FOB:


Sigla da FOB; Código do Criador; Ano de nascimento do pássaro; Sigla do clube; Número do Anel

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Cuidando dos pés dos canários

Fonte: Paulo Cantoni

Não teremos muitos problemas com os pés dos canários se procedermos com as técnicas de higiene e prevenção já vistas nesse site.

Os principais inimigos dos pés dos canários são os ácaros, a sarna e os insetos, principalmente os "pernilongos", uma única picada desse inseto pode levar seu canário a morte ou ainda a outras doenças infecto-contagiosas de difícil tratamento.
É obrigatória a proteção do seu canaril com uma tela do tipo "mosquiteiro", caso contrário você irá amargar longos períodos de tratamento das patas de seus canários.

Segue abaixo os principais tratamentos das mais comuns doenças das patas.

Fungos das patas: (Oceral Pomada)

Pomada utilizada na cura de fungos das patas dos pássaros, os quais devem ser mantidos isolados dos demais.

Sarna dos Pés - Escamas nas Patas:(Dolemil)

Lavar os pés dos canários com água morna e aplicar uma fina camada de Dolemil de 1 a 3 vezes ao dia até desaparecer o problema.

Picadas de insetos: (Rifan Spray) ou (Pomada Nebacetin)

Lavar os pés com água morna e aplicar Rifan ou Nebacetin uma vez ao dia.


Thuya Avícola Simões Oral


Indicação: É um produto indicado no tratamento de bouba (pipoca), verrugas e epitelioma contagioso das aves em geral (galinha, peru, pato, pássaros de gaiola e viveiro) em todas as fases da criação, evitando as complicações que a doença produz, podendo ser aplicado diretamente ou diluído no bebedouro.

Posologia: Pode ser feito os 2 tipos de tratamento:

Tópica: Passar no local com auxílio de um cotonete.

Oral: Pingar 1 gota para cada 10 mL de água, 1 vez ao dia, até a cura completa.


Fórmula: Tintura de Thuya occidentalis à 20%.

Apresentação: Frasco conta-gotas contendo 20 mL, frascos de vidro âmbar contendo 50, 90, 150 mL e frasco plástico de 500 mL.


Mascote do Canaril


Estrutura de Penas

ESTRUTURA DE PENAS

Bem, as categorias intenso e nevado nada mais são do que o efeito visual da estrutura das penas do canário.
Segundo estes aspectos, de uma forma geral, classificamos as penas dos canários em: Tectrizes, Rêmiges e Retrizes.

Tectrizes: são as plumas de cobertura. São fofas e recobrem todo o canário.

Rêmiges: são as penas longas e mais duras das asas.

Retrizes: são as penas também mais duras e longas formadoras da cauda.

O lipocromo se deposita sobre as tectrizes, e sua repartição define a categoria dos canários. Sua distribuição nas penas é mostrada nos desenhos abaixo:




Penas curtas e rígidas, cujo o lipocromo é depositado até a extremidade das mesmas são características dos canários intensos.

Já penas longas e fofas, cujo o lipocromo não é depositado até a extremidade das mesmas são características dos canários nevados, pois na sobreposição das penas pelo corpo, as pontas brancas das penas dão a impressão de névoa sobre o corpo do pássaro.

Estrutura de penas

ESTRUTURA DE PENAS

Bem, as categorias intenso e nevado nada mais são do que o efeito visual da estrutura das penas do canário.
Segundo estes aspectos, de uma forma geral, classificamos as penas dos canários em: Tectrizes, Rêmiges e Retrizes.

Tectrizes: são as plumas de cobertura. São fofas e recobrem todo o canário.

Rêmiges: são as penas longas e mais duras das asas.

Retrizes: são as penas também mais duras e longas formadoras da cauda.

O lipocromo se deposita sobre as tectrizes, e sua repartição define a categoria dos canários. Sua distribuição nas penas é mostrada nos desenhos abaixo:




Penas curtas e rígidas, cujo o lipocromo é depositado até a extremidade das mesmas são características dos canários intensos.

Já penas longas e fofas, cujo o lipocromo não é depositado até a extremidade das mesmas são características dos canários nevados, pois na sobreposição das penas pelo corpo, as pontas brancas das penas dão a impressão de névoa sobre o corpo do pássaro.

Estrutura de Penas

ESTRUTURA DE PENAS


Bem, as categorias intenso e nevado nada mais são do que o efeito visual da estrutura das penas do canário.

Segundo estes aspectos, de uma forma geral, classificamos as penas dos canários em: Tectrizes, Rêmiges e Retrizes.

Tectrizes: são as plumas de cobertura. São fofas e recobrem todo o canário.

Rêmiges: são as penas longas e mais duras das asas.

Retrizes: são as penas também mais duras e longas formadoras da cauda.


O lipocromo se deposita sobre as tectrizes, e sua repartição define a categoria dos canários. Sua distribuição nas penas é mostrada nos desenhos abaixo:



Penas curtas e rígidas, cujo o lipocromo é depositado até a extremidade das mesmas são características dos canários intensos.

Já penas longas e fofas, cujo o lipocromo não é depositado até a extremidade das mesmas são características dos canários nevados, pois na sobreposição das penas pelo corpo, as pontas brancas das penas dão a impressão de névoa sobre o corpo do pássaro.

Topografia da Asa


A muda é um dos acontecimentos mais importantes no ciclo anual das aves, no qual as penas velhas são substituidas por novas. A renovação da plumagem, constituída por uma proteina chamada queratina, é necessária para a própria sobrevivência da ave, pois uma plumagem danificada compromete seriamente a capacidade de vôo e a regulação da temperatura corporal.



▲ Topo